Preencha os campos necessários.


Preencha os campos necessários.




Sua mensagem foi enviada com sucesso!
* Digite o seu nome.
* Endereço de e-mail inválido.
* Número de telefone inválido.
Enviando mensagem... Um erro ocorreu no envio da mensagem! Sua mensagem foi enviada com sucesso!
Ao ligar, diga que viu este anúncio no JC.

Saiba por que falar sozinho faz bem à saúde

Ribeirão Preto - SP

Ao contrário do se imagina, conversar consigo mesmo em voz alta pode melhorar a performance na realização de tarefas e a organização dos pensamentos

De acordo com os estudos, falar sozinho é um dos mecanismos que utilizamos para controlar nossos comportamentos. (iStock/Getty Images)

Falar sozinho não é coisa do louco, ou pelo menos não deveria ser. Segundo Paloma Mari-Beffa, professora de neuropsicologia da Universidade de Bangor, no Reino Unido, em entrevista à rede americana CNN, conversar consigo mesmo pode ser normal e até mesmo saudável.

Apesar da fala ter como principal objetivo a comunicação interpessoal, a maioria das pessoas tem o costume de falar sozinha. Essa prática, inclusive, pode oferecer benefícios para a saúde mental, de acordo com informações da CNN.

Conversa interior

A conversa interior tem um papel fundamental na organização dos nossos pensamentos, nos ajuda a planejar ações, consolidar memórias e mediar nossas emoções. Em outras palavras, nos ajuda a controlar nossas vidas. Falar em voz alta pode servir como uma extensão dos pensamentos interiores, quando algum comando é ativado involuntariamente.

O psicólogo suíço Jean Piaget já havia observado como crianças pequenas controlavam suas ações assim que desenvolviam a linguagem. Quando se aproximam de superfícies quentes, por exemplo, as crianças geralmente dizem algo como “quente, quente” em voz alta e se afastam. Esse tipo de comportamento pode continuar na vida adulta. Pode parecer uma reação instantânea, mas quanto tempo realmente leva para realizar um pensamento?

Controle comportamental

Uma pesquisa, da Wake Forest School of Medicine, nos Estados Unidos, feita com macacos, mostrou que eles conseguem controlar suas ações ativando metas em um tipo de memória específico para determinada tarefa. Se a tarefa é visual, como identificar bananas, por exemplo, o macaco ativa uma área do córtex pré-frontal diferente da qual ativaria se fosse uma tarefa sonora ou olfativa.

Já quando humanos realizaram testes similares, em pesquisa publicada no periódico científico Neuroscience Letters, eles pareceram ativar as mesmas áreas do cérebro, independente do tipo de ação. No entanto, os pesquisadores descobriram que o cérebro pode operar de forma muito similar ao dos macacos quando fazemos as tarefas sem falarmos sozinho, seja em silêncio ou em voz alta.

Nesse estudo, os participantes tinham que repetir sons sem significado, como “blá-blá-blá”, por exemplo, enquanto performavam tarefas visuais e sonoras. Por não conseguirmos dizer duas coisas ao mesmo tempo, murmurar esses sons tornava os participantes incapazes de falarem sozinhos durante as tarefas. Sob essas circunstâncias, humanos se comportam como macacos, ativando diferentes áreas do cérebro para cada atividade.

Ainda, o estudo mostrou que falar sozinho não é a única maneira de controlar nossos comportamentos, mas é o mecanismo padrão. Nós preferimos dessa forma, entretanto, isso não significa que controlamos tudo o que pensamos e dizemos em voz alta. De acordo com Paloma, quando tentamos evitar pensamentos que passam pela nossa cabeça antes de dormir, por exemplo dizendo a nós mesmos para não pensar, ativamos ainda mais os pensamentos aleatórios.

Ansiedade e depressão

Embora esse mecanismo de ativação cerebral seja difícil de controlar, não é impossível e pode ser alcançado quando nos concentramos em algo com um propósito. Ler, por exemplo, é uma atividade mental que nos ajuda a suprimir os devaneios, sendo uma ótima forma de relaxar a mente. No entanto, um estudo descobriu que pessoas que sofrem de ansiedade ou depressão não conseguem desativar os pensamentos aleatórios, mesmo realizando essas atividades não relacionadas.

Nossa saúde mental depende tanto da habilidade de ativar pensamentos relevantes em determinadas atividades como de suprimir os irrelevantes. Técnicas como meditação e atenção plena têm o objetivo de reduzir esse stress mental. Quando nossas mentes devaneiam de forma que não conseguimos controlar, entramos em um estado de incoerência que, em alguns casos, pode ser descrito como doença mental.

Conversa em voz alta versus silenciosa

A conversa interior nos ajuda a organizar nossos pensamentos e adaptá-los às nossas demandas, mas existe algo em especial sobre externá-los em voz alta? Por que não apenas guardá-los para nós mesmos, se não há ninguém ouvindo?

Em um recente estudo da Universidade de Bangor, pesquisadores mostraram que falar em voz alta, na verdade, melhora o desempenho nas atividades, até mesmo além do que é alcançado pela tática silenciosa. Os voluntários da pesquisa receberam uma série de instruções, que deveriam ler tanto em silêncio quanto em voz alta. Então, a equipe media a concentração e a performance dos participantes durante as tarefas e houve melhor desempenho em ambas quando as instruções foram lidas em voz alta.

Saiba por que falar sozinho faz bem à saúde
Publicado por JC Jornal da Cidade | JC Saúde e Bem-Estar


Fonte: Veja.com/Saúde


Favoritos

Denunciar

Últimas Notícias

Anúncios